Na ultima segunda feira, 01 de maio, os apaixonados pela moda acompanharam o tapete vermelho do Met Gala, um dos eventos de moda mais importantes do mundo. O Met gala é um jantar anual para arrecadar fundos para o Metropolitan Museum of Art de Nova York. O jantar marca também a abertura de uma exposição temporária que homenageia um estilista. Esse ano, a estilista japonesa Rei Kawakubo diretora criativa da Comme des Garçons foi a escolhida. Essa é a segunda vez em 71 anos de Met Gala que uma estilista viva é a homenageada, a primeira vez foi em 1983 com Yves Saint Laurent.

A cantora Rihanna que apareceu com um look Comme des Garçons deu o que falar. E agora eu explico:

A Comme des Garçons é uma marca conhecida por seu desconstrutivismo, ou seja, a desconstrução de formas e o questionamento de forma e função. A roupa usada pela Rihanna era conceitual. Quando falamos em roupa conceitual estamos nos referindo a peças apenas usadas em passarelas que explicam/ explicitam um conceito. Por exemplo: se eu sou um estilista de uma marca X e quero dizer que para o verão 2018 o que vai estar em alta são as pelúcias. Posso vestir modelos com ursinhos de pelúcia que formam vestidos, e ninguém vai sair vestido de ursinho mas, eu explico o desejo de forma imagética. As roupas conceituais também servem para elevar o desejo por uma marca. Geralmente, as grandes casas de moda possuem peças de passarela que custam até milhões e que poucas pessoas tem acesso. Mas, se eu vejo um desfile acho incrível e posso comprar o perfume da marca estou consumindo tanto quanto a pessoa que comprar a peça de milhões. Na verdade a maioria das “maisons”, Chanel, Dior entre outras; vive do consumo de produtos acessíveis como perfumes, bolsas, acessórios e até cases de celular. E por fim, essas peças extremamente difíceis de digerir podem ser usadas em eventos como o Met Gala em que ver e ser visto é a chave da propaganda. Não se engane: aquela celebridade que aparece “mal vestida” quer ser vista, comentada e muitas vezes recebe para usar a peça.

Se você pretende visitar Nova York a exposição fica no Met até setembro e vale a pena conhecer o trabalho da Rei Kawakubo.

 

Autor

Escreva um comentário